Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Vetores da Inutilidade

Poesia, Atualidade, Crítica, Opinião, Artes e Cultura. Um blog por João M. Pereirinha

Vetores da Inutilidade

Poesia, Atualidade, Crítica, Opinião, Artes e Cultura. Um blog por João M. Pereirinha

Rimas... soltas...

 

 

 

Quero por querer
aquilo que
sem saber
ou até mesmo
sem me rever
e sem me encaixar
vou procurar,
quero o que mudar,
quero o que
sem motivo ou razão
se equipare com a paixão!

 

 

 

12.02.2008

 

João Pereirinha

 

 

 

 

 

 

Esta poesia e estes versos,
muitos sem significado,
estão todos bem emersos
de teor claramente aprofundado,
não fora eu um apaixonado
não fora eu tão dedicado.

 

 

 

12.02.2008

 

João Pereirinha

 

 

 

….

 

 

 

Quando me sinto assim
pura e simplesmente
inspirado,
quando escrevo sem fim,
quando me sinto claramente
amado
é quando, sem quê
nem porquê
me sinto cativado,
quando só quero estar ao teu lado.

 

 

 

12.02.2008

 

João Pereirinha

 

 

 

 

 

 

Não são nada de especial
estas coisas que te digo,
sentimento banal
como a esmola de um mendigo.

 

Não te quero surpreender
nem mesmo converter,
só quero que venhas a entender
o que tenho p’ra te dizer:

 

Que não és apenas mais uma
num lugar onde não há nenhuma,
és aquela que afasta a penumbra
da imensa escuridão
e que trás consigo uma imensidão
de amor no coração!

 

12.02.2008

 

João Pereirinha

 

 

 

Sonhos:

 

 

 

Em sonhos sonhei
com o que tinha sonhado,
parei e pensei
e depois de tudo pensado
reparei que ainda estava acordado
e tu estavas aqui do meu lado!

 

12.02.2008

 

João Pereirinha

 

Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.